logo FALE CONOSCO
Capa Introdução Metodologia Área de Estudo Projetos Publicações

INTRODUÇÃO


A diversidade da fauna e flora está relacionada com os mecanismos de funcionamento de rios, lagos e áreas alagadas e sua interação com o sistema terrestre. Os peixes que são a maioria dos vertebrados têm 41% de suas 24.600 espécies vivendo em água doce (Nelson, 1994).

Os riachos formam uma grande rede vital para a sobrevivência das espécies sendo fundamental para a compreensão da Biogeografia da Conservação.

Biogeografia da Conservação é a aplicação dos princípios, teorias e análises em biogeografia, na avaliação da distribuição dos taxa, sob um ponto de vista da conservação da biodiversidade (Whittaker et al., 2005).

A preocupação com a conservação e preservação ambiental é global e alguns autores defendem a idéia de que observamos um evento comparável às cinco grandes extinções do passado (Pimm & Raven, 2000; Wake & Vredenburg, 2008).

A conservação significa usar de forma racional um recurso garantindo a auto-sustentação do meio ambiente explorado, enquanto preservação possui um sentido mais restrito, significando a ação de proteção de um ecossistema de dano ou degradação, inexistindo a possibilidade de exploração mesmo que auto-sustentável.

Uma das questões chave para a biogeografia da conservação é escolher onde investir os limitados recursos existentes de maneira a minimizar o empobrecimento da biodiversidade (Platnick, 1992).

A definição de planejamento de áreas de conservação está hoje em mãos de poucas ONG's internacionais que influenciam de forma definitiva a aplicação de grande parte dos recursos (Whittaker et al., 2005). Esquemas generalizados, de âmbito global, têm sido construídos e com base neles são destinados os recursos para conservação (Myers & Mittermeier, 2003).

Tais esquemas, concebidos essencialmente a partir de dados biogeográficos, muitas vezes carecem de detalhamento em escala regional, e assim sendo subestima-se o valor de determinadas áreas pela falta de conhecimento acumulado sobre elas.

A diversidade biológica é estudada por pesquisadores em todo o mundo, tendo sua documentação básica abrigada nas coleções científicas (Prudente, 2003).

O conhecimento sobre a diversidade permanece insuficiente porque muitas espécies não foram formalmente descritas. Este tipo de dificuldade foi nomeado "Linnean shortfall" (Brown & Lomolino, 1998), e tende a ser mais grave entre os organismos de menores dimensões, incluindo tanto vertebrados, como invertebrados (Medellín & Soberón, 1999; Ødegaard et al., 2000).

A distribuição geográfica da maioria das espécies é pouco compreendida e contém muitas falhas, especialmente em regiões inexploradas (Bini et al., 2006). O conhecimento inadequado acerca da distribuição de espécies foi nomeado "Wallacean shortfall" (Lomolino, 2004).

Apesar de uma combinação de extraordinária riqueza, elevado endemismo e alto risco de extinção, os sistemas de água doce e as espécies deles dependentes raramente são considerados nos planejamentos de áreas de conservação (Abell et al., 2008).

Outro agravante é que muitas regiões permanecem sub-amostradas para muitos taxa o que compromete significativamente a definição das áreas de conservação (Whittaker et al., 2005).

Bibliografia

ABELL, R., M. L. THIEME, C. REVENGA, M. BRYER, M. KOTTELAT, N. BOGUTSKAYA, B. COAD, N. MANDRAK, S. C. BALDERAS, W. BUSSING, M. L. J. STIASSNY, P. SKELTON, G. R. ALLEN, P. UNMACK, A. NASEKA, R. NG, N. SINDORF, J. ROBERTSON, E. ARMIJO, J. V. HIGGINS, T. J. HEIBEL, E. WIKRAMANAYAKE, D. OLSON, H. L. LÓPEZ, R. E. REIS, J. G. LUNDBERG, M. H. SABAJ-PÉREZ, & P. PETRY. 2008. Freshwater Ecoregions of the World: A New Map of Biogeographic Units for Freshwater Biodiversity Conservation. BioScience 58 (5): 403-414.

BINI, L. M., J. A. F. DINIZ-FILHO, T. F. L. V. B. RANGEL, R. P. BASTOS & M. P. PINTO. 2006. Challenging Wallacean and Linnean shortfalls: knowledge gradients and conservation planning in a biodiversity hotspot. Diversity and Distributions, 12: 475-482.

BROWN, J. & LOMOLINO, M. 1998. Biogeography. Sinauer Associates, Sunderland, Massachusetts.

LOMOLINO, M.V. 2004. Conservation biogeography. In Frontiers of Biogeography: new directions in the geography of nature (M.V. LOMOLINO & L.R. HEANEY, eds.). Sinauer Associates, Sunderland, p. 293-296.

MEDELLÍN, R. A. & J. SOBERÓN. 1999. Predictions of mammal diversity on four land masses. Conservation Biology, 13, 143-149.

MYERS, N. & R. A. MITTERMEIER. 2003. Impact and acceptance of the hotspots strategy: response to Ovadia and to Brummitt and Lughadha. Conservation Biology, 17, 1449-1450.

NELSON, J.S. 1994. Fishes of the world. 3d ed. New York; John Wiley & Sons

ODEGAARD, F., O. H. DISERUD, S. ENGEN & K. AAGAARD. 2000. The magnitude of local host specificity for phytophagous insects and its implications for estimates of global species richness. Conservation Biology, 14, 1182-1186.

PIMM, S., P. RAVEN, A. PETERSON, C.H. SEKERCIOGLU & P.R. EHRLICH. Human impacts on the rates of recent, present, and future bird extinctions. Proceedings of the National Academy of Sciences USA v.103 p.10941-10946. 2006.

PLATNICK, N. I. 1992. Patterns of Biodiversity. In: Eldredge, N. (Ed.). Systematic, Ecology, and the Biodiversity Crisis, New York, Columbia University Press. Pp. 15-24.

PRUDENTE, A. L. C. 2003. Coleções brasileira de Répteis. In: Peixoto, A. L., org., Coleções Biológicas de Apoio ao Inventário, Uso Sustentável e Conservação de Biodiversidade. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 228 pp e anexos.

WAKE, D.B. & VREDENBURG, V.T. Are we in the midst of the sixth mass extinction? A view from the world of amphibians. Proceedings of the National Academy of Sciences USA v.105 p.11466-11473. 2008.

WHITTAKER, R. J., M. B. ARAÚJO, P. JEPSON, R. J. LADLE, J. E. M. WATSON, & K. J. WILLIS. 2005. Conservation biogeography: assessment and prospect. Diversity and Distributions, 11, 3-23